Medidas para incrementar as exportações e importações entre o Pará e Portugal, foi o principal objetivo de uma reunião realizada nesta quarta (22), convocada pelo deputado Márcio Miranda (DEM), na Assembleia Legislativa do Estado do Pará.

Um dos entraves para melhorar este intercâmbio comercial encontrado, é o da ocupação dos porões com cargas, nos aviões da TAP, que fazem voo regular entre Belém e Lisboa, trazendo e levando turistas. “No momento são dois voos por semana e serão, três a partir de junho deste ano ainda.

“O nível de passageiros está regular e em expansão, no entanto, os porões, a outra metade do avião está vazio”, informou Fábio Lúcio Costa, presidente da Associação Comercial do Pará. “Se tivermos cargas indo e voltando, o custo da viagem e de embarque de cargas, diminuiria, podendo os preços de passagens cair ou pelo menos se estender por um maior prazo”.

Hoje, devido as carências de infraestrutura de logística no Estado, a maioria das cargas importadas ou exportadas para Lisboa, passam por São Paulo, aumentando o custo de comercialização e o tempo de espera para a carga chegar no Pará. O vice-cônsul de Portugal, Francisco Brandão, sugeriu então, a criação no Estado de um polo de importação e exportação, onde as mercadorias comercializadas embarcariam ou desembarcariam direto, em Belém ou Lisboa, sem a intermediação de ninguém. “Envolvendo o governo do Estado, a possibilidade de incentivo neste sentido com a participação da CODEC – Companhia de Desenvolvimento do Pará na atração de investidores, avaliou Fábio Costa.

“É preciso preencher os porões dos aviões que não está sendo utilizado. É a carga que gera maior número de empregos, renda e divisas”, disse Márcio Miranda. Para ele, o voo trazendo ou levando turistas para Portugal foi um grande ganho para o Estado. “O Voo facilitou o deslocamento, no entanto, com ele podemos implementar ainda mais o intercâmbio comercial e turístico com Portugal e com a Europa”, disse.

Uma outra reunião foi definida no início de abril com a presença ainda de representantes da Federação das Indústrias do Pará – FIEPA, da CODEC, da Associação de Distribuidores e Atacadistas do Estado – ADAPA, do Centro de Integração de Negócios – CIN; do diretor de Tributação da SEFA, e da SEDEMA, para uma outra rodada e tomada de outras decisões nas esferas do poder de Estado e da iniciativa privada.

Os empresários e suas organizações de representação ficaram ainda de conversar com a TAP para encontrar soluções para operações no Pará, formas de atração, e com a empresa que faz a logística aqui no Estado.

Participaram ainda da reunião, Joy Colares, secretário adjunto da SETUR-Pa; Edna Rocha, presidente da Associação Brasileira de Viagens, seção Pará; Douglas Lima, gerente Regional da TAP; e de Reginaldo Ferreira da Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil – Pará. Os deputados Martinho Carmona (PMDB), embaixador extra oficial da Casa para este tema; Sidney Rosas (PSB), presidente da Frente Parlamentar pelo Desenvolvimento do Estado e Celso Sabino (PSDB), presidente da Comissão de Turismo da ALEPA;