O deputado Márcio Miranda, presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Pará, recebeu nesta segunda (08/05), o convite oficial para participar de uma Sessão Especial, no dia 11 de maio, quinta-feira próxima, às 15 h, na Câmara Municipal de Belém, para discutir a criação do Parlamento Metropolitano envolvendo os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Izabel, e Santa Bárbara, e cuja a matéria é integrante de um projeto de lei em tramitação, de autoria da vereadora Marinor Brito (PSOL).

“A criação do parlamento metropolitano é uma necessidade porque objetiva criar um espaço público, suprapartidário e coletivo para se discutir problemas comuns”, avaliou o deputado Márcio Miranda. Para ele, os problemas das cidades que compõem a região metropolitana as vezes estão no limite da linha de uma carta geográfica, estão imbricados e associados. “O parlamento metropolitano permitiria debater temas mais polêmicos, como a questão do lixo, do transito, do transporte, produzir ações coordenadas, antecipar os fatos comuns das cidades, amadurecer ideias e prevenir problemas”, avaliou o presidente do Poder Legislativo do Estado.

A vereadora Marinor Brito por sua vez, autora do projeto de criação do parlamento metropolitano, ao entregar o convite ao presidente Márcio, assinado pelo vereador Mauro Freitas, presidente da Poder Legislativo de Belém, explicou que a sessão tem a intenção de organizar um protocolo de intenções entre as cidades que compõe a região metropolitana de Belém, para e com o objetivo de fiscalizar, interagir, e planejar as políticas e as questões de interesse comum. “É inconcebível hoje você pensar o problema do transporte, do saneamento, da questão ambiental, sem que este problema não afete uma cidade vizinha”, disse.

Ela enumerou ainda outras situações que dizem respeito as cidades metropolitanas, e exemplificou o valor das tarifas de ônibus e o problema do lixo. “Por exemplo você decide em Belém o valor das tarifas de ônibus, mais você submete o morador de Ananindeua e Marituba a tarifa definida na capital”. E citou o problema com do aterro sanitário de Marituba. “Estamos vivenciando uma crise na área dos resíduos sólidos, o que era para resolver, se transformou em um grande problema, porque foi colocado em uma área de proteção ambiental, de restrição portuária, e que não obedeceu às regras técnicas para que o lixo fosse tratado em vez de enterrado”, pontuou.

A líder do PSOL na Câmara de Belém, disse que a ideia do projeto foi bem acolhida. “O presidente Márcio demonstrou sensibilidade com os problemas que são comuns a região metropolitana”. A vereadora ainda disse que o deputado entendeu que a Alepa é um braço importante nesse debate político e que iria mandar uma representação, aja visto que estaria viajando. Por último ela detalhou a disposição da ALEPA em apoiar com logística, e infraestrutura no processo de criação do parlamento metropolitano.

Para a sessão foram convidadas as representações do Executivo e do Legislativo, bem como individualmente os vereadores dos seis municípios considerados da região metropolitana de Belém, o Ministério Público, a Justiça e o Governo do Estado do Pará.